Consulte Profissionais sérios. Não coloque seu
dinheiro e seu patrimônio em risco.

Mandado de busca e apreensão

A cada dia que passa cresce cada vez mais a quantidade de consumidores que estão perdendo seus veículos através de busca e apreensão.  Mas afinal quem é o culpado nessa História?

O consumidor certamente tem sua parcela de culpa, pois se não está conseguindo pagar as prestações do veículo é sinal de que não soube avaliar sua real capacidade financeira ao financiar um carro.

Porém muitos entram em inadimplência ao serem surpreendidos por algum imprevisto, seja uma redução de salário, desemprego, doença em família, enfim todos nós estamos sujeitos a isso.  Existe também aqueles que cometem o grande erro de financiar veículos usados.  Afirmo que é um erro porque um veículo usado, fatalmente apresentará problemas mecânicos a curto prazo, colocando muitas vezes o consumidor num dilema, “Ou arrumo o carro, ou pago a prestação“.


Como Funciona a Máfia da Busca e Apreensão

O pesadelo começa a partir do momento que o consumidor atrasa uma prestação.  Primeiro porque os juros de mora cobrados pelo atraso, são cobrados e calculados de forma totalmente ilegal.  Esses juros de mora devem constar no contrato, o que é muito raro.  Sendo assim os juros de mora não podem ser superiores a 1% ao mês e multa de 2% conforme entendimento do STJ e Código de Defesa do Consumidor.

Resumindo, os escritórios de cobrança cobram juros de mora superiores a 12% ao mês, além de correção monetária, multa e honorários advocatícios, fazendo com que o valor de uma única parcela se torne impagável, e sabe porque?  Porque para essa turminha de aproveitadores acobertadas pelos financeiras é mais importante pegar o se carro do que facilitar o pagamento.  Portanto, sempre que você paga uma prestação em atraso estão de cobrando os juros de forma totalmente extorsiva. Quer tirar a prova?

Fazem de tudo para pegar seu carro.

Amigo consumidor se você tem um veículos financiado, observe se em seu contrato constam cobrança de serviços de terceiros ou serviços autorizados

Cuidado você está sendo vigiado

Você não está participando de nenhum Reality Show mas, sem saber, está sendo monitorado. Antes de entrar com a ação de busca e apreensão, esses escritórios contratam olheiros para vigiar você, pois ao entrar com a ação eles acompanham o Oficial de justiça e dão o bote certeiro para pegar seu veículo, sem que você tenha a mínima chance de defesa.

Esses “profissionais” estacionam um carro, ou uma moto na sua rua e ficam de plantão observando os horários que você entra e sai com o veículo, e enviam esse relatório  ao escritório de cobrança. O curioso é que consumidores que passaram por essa situação relataram para o Perito Financeiro que até mesmo alguns funcionários da administração pública acompanham esses agentes de bancos induzindo o consumidor a entregar o bem extrajudicialmente.    Nesses casos o Perito Financeiro orienta o consumidor coagido a chamar a polícia.

Cabe comentar que somente o oficial de justiça de posse do mandado de busca e apreensão tem esse poder, ninguém mais.  Portanto, exija a apresentação de credenciais.  Antes que eu me esqueça, esses olheiros recebem em média R$ 800,00 por veículo apreendido.  Acho que agora você entendeu porque tem a até agente da CET envolvido nessa.

Consumidor é enganado no ato do financiamento

Observe que quando você vai comprar um veículo, o vendedor começa com uma prestação mais alta, e quando percebe que você não concorda, diz que é possível fazer uma redução na prestação.

Isso quando não usa do artifício de dizer de que a Financeira A não aprovou seu financiamento, mas que certamente conseguirá na Financeira B quando.  Ao fazer isso na verdade o vendedor está verificando qual será a financeira que lhe dará a maior comissão sobre o valor financiado.

Isso mesmo a financeira oferece ao lojista de veículos um bônus induzindo o mesmo ao fazer seus financiamentos através dela.  Essa comissão é embutida no valor financiado sem que  consumidor saiba e diluída ao longo das prestações do financiamento.  Nessa semana deparei-me com um caso em que incluíram ao financiamento R$ 3.500,00.  Isso ao final de 60 meses, com juros de 1,5% ao mês totaliza R$ 5.332,62.  Ou seja; a loja fica com R$ 3.500,00 e a financeira com mais R$ 1.832,62, fora o que ela já vai ganhar sobre o total financiado.

A inclusão desses valores faz com que a prestação fique em média 25% maior.